Governo de São Paulo Logo

Central de atendimento (13) 3797-8777

Fale conosco - SAU (13) 3797- 8777

SUS Logo

Muita ATENÇÃO para esta situação, pois se trata de um GOLPE!

.

Tire suas dúvidas sobre atendimento e internação

Entenda a importância da medicação e tempo de internação.

Clique aqui

Conheça nosso projeto terapêutico

Tratamento individualizado e humanizado.

Assista ao vídeo com orientações aos familiares

Conheça as normas para visitas

Dúvidas frequentes

Como eu faço para internar um paciente psiquiátrico no PAI Baixada Santista?

As internações no PAI Baixada Santista são realizadas somente via Central de Regulação de Vagas, do Departamento Regional de Saúde da Baixada Santista (DRS-IV). Quando o médico do Caps, Ambulatório ou Pronto-socorro avalia o paciente e solicita a internação, esse pedido é encaminhado para esta Central de Vagas. O PAI Baixada Santista não realiza internações de pacientes que não tenham a vaga liberada pela Central de Regulação de Vagas da DRS-IV.

Que tipo de paciente pode ser internado no PAI Baixada Santista?

Pacientes psiquiátricos em crise grave (por ex. agressividade/ tentativa de suicídio), cujo suporte de atendimento no município dessas pessoas seja insuficiente para aquele momento.

Quanto tempo uma pessoa fica internada no PAI Baixada Santista?

O tempo ideal de toda internação é que esta seja o mais breve possível e que o paciente permaneça pouco tempo distante de sua família e da comunidade. O papel da internação no PAI Baixada Santista não é curar o paciente, mas sim diminuir os sintomas mais graves ou mais perturbadores para que ele possa continuar seu tratamento em seu município.

Por que depois que houve a primeira crise o paciente nunca mais ficou bom? Essa doença não tem cura?

As doenças psiquiátricas em geral são crônicas e podem durar, em muitos casos, a vida toda. Isso não é diferente da Diabetes, Pressão alta e tantas outras doenças, cujo tratamento não tem a intenção de curar, mas sim de controlar a doença e impedir que o paciente adoeça mais ou até evolua para a morte. Com as doenças psiquiátricas também ocorre isso. O tratamento tem como finalidade buscar a melhora da qualidade de vida para o paciente e, se possível, fazer que ele tenha uma vida normal no meio da sociedade.

As medicações são para a vida toda?

Em muitos casos as medicações são para a vida toda, sendo que parar com os remédios pode causar a volta dos sintomas e, em muitas situações, com dificuldade ainda maior de controlá-los. O médico psiquiatra é o profissional mais gabaritado para dizer até quando o paciente deve tomar seus remédios.

Quem toma remédios psiquiátricos não pode ingerir bebida alcoólica?

Não podemos misturar álcool com remédios. Em muitos casos essa mistura faz com que o efeito dos remédios diminua e, em outros, essa associação pode, inclusive, levar à morte.

Um paciente pode ter mais do que uma doença psiquiátrica?

Sim. Isso é comum. Por exemplo: dependência de álcool associada à fobia social, esquizofrenia associada à dependência de múltiplas drogas, depressão e ansiedade. Isso é mais comum do que muita gente pensa e, em muitos casos, pode complicar o tratamento, uma vez que cada uma das doenças tem formas de tratamento diferentes.